Resenha de "Champion", Trilogia Legend #3

Esta pessoa que vos escreve ficou com o coração partido após a leitura de Champion, porém, aliviada. De longe, foi a melhor distopia que já li, pois soube ser convincente, trágica, arrebatadora e, no fim, plena de esperança.
"Day apenas sorri para mim; sua expressão é tão triste, que interrompe meu entorpecimento e começo a chorar. Esses olhos azuis brilhantes me emocionam tanto. À minha frente está o garoto que aplicou ataduras nos meus ferimentos nas ruas de Lake, protegeu a família com todos os ossos do corpo, ficou ao meu lado apesar de tudo, o menino iluminado, risonho e cheio de vida, pesar, fúria e paixão, o garoto cujo destino está interligado ao meu para todo o sempre." (June)
Atenção, apenas o próximo parágrafo contém spoilers.

[Com o apoio de Day, Anden conseguiu aceitação e caiu nas graças da República. Agora, o novo Eleitor tem o controle da nação e está prestes a colocar em prática suas ideias. Após os últimos acontecimentos, June Iparis voltou a ser queridinha e está se preparando para o cargo de Primeira Cidadã com outros dois candidatos. Enquanto Day aproveita o tempo com seu irmão caçula e tenta aceitar sua nova condição: de criminoso mais procurado e, posteriormente, herói da nação para um jovem doente com os dias contados.]

Quando a paz estabelecida entre a República e as Colônias é rompida, devido a um vírus mortal que se alastrou pelas cidades fronteiriças, o novo Eleitor se vê em um impasse, pois a única maneira de evitar uma guerra é encontrando uma cura, que aparentemente está no irmão caçula de Day. Porém, após tantos sofrimentos e perdas, como convencê-lo a trazer Éden ao mundo de laboratórios e experiências novamente?

Com a guerra iminente, todos terão de unir forças e buscar o máximo de ajuda possível - algo bem difícil, visto que país algum quer se envolver. Todavia, a medida que as Colônias invadem a República, instalando o caos, Day e June percebem que a solução estava bem ali, mais perto do que imaginavam. Em uma luta contra o tempo para salvar a República e a si mesmos, eles terão de se sacrificar e enfrentar grandes inimigos.
"- O povo ama a República mais do que você pensa. Mais do que eu pensava. Sabe quantas vezes vi refugiados perto daqui entoando canções patrióticas da República? Sabe quantas pichações tenho visto nos últimos meses que apoiam você e o país? - Meu tom de voz fica veemente. - O povo acredita em você. Eles acreditam em nós. E vão contra-atacar, se pedirmos isso a eles; vão rasgar bandeiras das Colônias, protestar em frente a suas instalações. - Estreito os olhos. - Eles vão se tornar um milhão de versões minhas." (Day)
Com o fim da trilogia, pude confirmar o quanto a alternância de narradores caiu como uma luva. Afinal, foi ótimo acompanhar as reações e os sentimentos de Day e June diante a mesma situação. Dessa vez, mesmo com a adrenalina habitual, o tom melancólico reinou, pois toda a dor foi liberada e as perdas, transformadas em algo muito difícil (ou quase impossível) de carregar. Juntamente com os capítulos finais, a cena que mais me emocionou foi quando Day retornou à sua casa - chorei litros, como se dizem.

A tensão chega ao ápice e se reflete tanto na narrativa quanto nos personagens, especialmente no momento em que a guerra começa a tomar forma. Apesar de ter adorado o desenrolar dos acontecimentos, penso que o final da - quase - guerra poderia ter sido melhor desenvolvido; é possível saber o que houve, assim como as consequências, através de informes e comentários dos personagens, porém, senti que ainda faltou algo para complementar esse aspecto.

Desta vez, o amor assumiu seu lugar de direito - em meio ao caos da guerra iminente. Porém, infelizmente, ele veio acompanhado pela dor. Afinal, Day não consegue desvincular suas perdas do amor gigantesco que sente por June; por outro lado, June o ama e sofre ao vê-lo tão inconsolavelmente triste. Mesmo com essa crise (totalmente compreensível), Marie Lu nos presenteou com cenas fofas e românticas, de arrancar suspiros e deixar os olhos marejados de lágrimas. Ainda que o amor nunca tenha sido o foco da trilogia, ele teve papel de destaque nesse livro e, praticamente, andou lado a lado com os demais tópicos.

Os personagens secundários também tiveram maior destaque. Podemos ver o amadurecimento de Éden, se transformando em um adolescente consciente e prestativo. Tess voltou a ser um doce de garota, mas também tornou-se independente e forte; enquanto Pascao, o patriota simpático e divertido, foi um bom amigo e também de grande ajuda. Apesar de uma ou outra atitude mesquinha, Anden conseguiu ser um bom governante. Felizmente, o quarteto amoroso foi se extinguindo por inteiro ao longo da narrativa, pois aquilo estava bem maçante e desnecessário.

Estava muito receosa quanto ao desfecho da trilogia e me surpreendi. De certa forma, foi um choque, mas não poderia ter sido melhor. Um final coerente, plausível e necessário - que serviu como um recomeço, a realização de uma esperança que estava se esvaindo por completo. Marie Lu foi fiel aos seus personagens, dando-lhes finais dignos e condizentes com a situação como um todo. Cabe deixar registrado que eu ficaria grata e muito feliz se a autora escrevesse um livro contando os dias e meses seguintes ao trecho final - pude imaginar com facilidade, mas um livro seria ótimo!

Em suma, é uma leitura que vale muito a pena. Day foi o meu personagem favorito e acredito que vocês também vão torcer por ele - e por June. Para mim, a capa de Champion foi a mais bonita de todas e o trabalho da editora com a revisão e a diagramação foi excelente.
  • Escrito por Marie Lu.
  • Editora Rocco Jovens Leitores.
  • Tradução: Ebréia de Castro Alves.
  • 302 páginas.
  • Leiam também: Legend (link) e Prodigy (link).
  • Disponível em todas as livrarias.
  • Recomendo. 
*Exemplar para resenha.

14 comentários:

  1. Oie! Eu tenho MUITA vontade de ler essa trilogia, só leio resenhas positivas, preciso logo comprar, hahahaha! Ótima resenha <3 Aumentou AINDA MAIS minha vontade.

    Beijos, Carol
    www.girlfromoz.com.br

    estou te seguindo :)

    ResponderExcluir
  2. Preciso arrumar tempo pra terminar essa trilogia!!
    E com essa resenha!! OMG!!! Eu fiquei mais ansiosa ainda!!!
    E vai ter guerra então?? E mais amor?? Gente!!!!
    Adorei a resenha ♥

    Bjks

    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. oie Rafa
    eu ainda não comecei a ler essa trilogia, pois ainda falta o segundo livro.
    Pulei o início com medo de spoiler, mas foi aliviador saber que a trilogia termina de forma satisfatória.
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
  4. Oie,
    nossa já está no terceiro e não consegui nem o primeiro para ler ainda rsrsrs
    bjos
    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia o livro. A história é bem interessante e eu adorei a capa dele.

    http://www.pampilho-ordinario.com/

    ResponderExcluir
  6. Essa trilogia parece ser super bacana, fiquei instigada a conhecê-la melhor. Sou fã de distopias, preciso ler estes para saber se vou curtir! Pela resenha positiva, aposto que sim!

    Beijos,
    Caroline, do http://www.criticandoporai.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Eu tinha ouvido falar dessa trilogia mas ainda não tinha procurado saber sobre ela. Parece que esse livro é muito bom. É ótimo quando o último livro nos surpreende, dá um alívio, a gente sempre fica apreensiva quanto o desfecho da história, principalmente quando a gente está amando a série.
    Vou tentar ler essa trilogia, já que parece ser tão boa.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Quando fala que o final foi necessário já penso Ai Meu Deus alguém morreu no final. Só li o primeiro livro dessa trilogia até agora e amei. O segundo ganhei em uma promoção e estou esperando chegar e o ultimo comprei hoje na promoção 3 por 30 do submarino. Espero amar a trilogia.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  9. Oi Rafa!
    Eu não li nenhum dos Legend (estou um pouco traumatizada com trilogias distópicas, rsrs), mas acho a premissa interessante.
    Que bom que você gostou do desfecho da trilogia. Nada pior do que gostar de uma série e detestar a maneira como ela termina.
    Alternância de narradores é sempre arriscado, mas quando bem manipulado é um recurso que funciona muito bem mesmo.
    Beijos
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Essa trilogia está na minha lista, parece ser ótima!
    coisasdeumleitor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. A trilogia Legend é a minha favorita de todas, faz meses que li Champion e ainda não estou recuperada em relação aquele final, e como dizem as fontes especializadas: o melhor final distópico de todos <3

    Para não ser um livro de romance, Champion teve um romance incrível e claro, uma boa guerra!

    ResponderExcluir
  12. Só digo uma coisa: Legend é a trilogia mais perfeita que eu já li. Com certeza é a melhor distopia. As personagens são incríveis, Day é sensacional, June é extremamente inteligente... a República e a Colônia são muitíssimo bem representadas.
    O final de Champion é desesperador. Chorei bastante, tipo... muito.
    E o reencontro deles, anos depois - mesmo com aquela narrativa corrida (quando o dog morreu, eu fiquei tão chateada!!), me lembrou Princesa Mecânica, gzuz,

    Enfim, é um livro sensacional, que todo mundo deveria ler!

    Beijos, Iza
    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Pelo que eu conheço de mim, não vou conseguir esperar o meu box lindão chegar e vou ler pelo celular (eu sei que não é certo) porque todas as resenhas à respeito são maravilhosas, como lidar? 😭

    ResponderExcluir
  14. Sou louco para ler essa trilogia, parece ótima. Adoro distopia e acho que essa irá me envolver muito. Abraços ;)

    ResponderExcluir

Hey you,
gostou do que leu, encontrou algum erro ou quer acrescentar algo?
Não deixe de comentar! =)
Sua opinião é muito importante para o blog.
Beijocas.

© 2012 - Todos os Direitos Reservados
Design por: Gabrielle Alves | Para uso exclusivo do blog Artesã Literária