Resenha de "Os Lobos da Invernia" - As Crônicas da Dádiva do Lobo #2

Quem estava com saudade do Lobo Homem mais incrível e meigo (é possível?) do mundo literário, mais conhecido como Reuben Golding? Eu estava, com toda certeza. Anne Rice já havia me cativado e intrigado em A Dádiva do Lobo, mas nesta continuação, fiquei ainda mais embasbacada e envolvida com sua narrativa seduzente e sombria.
"Para Reuben, seria um Natal como nenhum outro, festejado ali naquela casa com Felix Nideck, Margon e Stuart, e todos aqueles que amava. Essas pessoas eram sua nova família. Aquele era o secreto, porém alegre e acolhedor, mundo dos Morphenkinder ao qual Reuben agora pertencia, com muito mais propriedade do que ao mundo de sua família humana."
Há meses que Reuben Golding deixou de ser o "menino luz", o "menininho" de sua família e sua ex namorada Celeste. Tanto a mudança para a mansão de Nideck Point, quanto a grande transformação em lobisomem fizeram com que ele mudasse radicalmente sua vida, seus hábitos e perspectivas. Agora, ele vive com outros Morphenkinder (seus parentes lobisomens) e, mais do que nunca, está em um dilema de encontrar um equilíbrio entre sua forma humana e o inabalável Lobo Homem.

É início de dezembro e a invernia chegou na costa californiana. Em Nideck Point, os preparativos natalinos estão à todo vapor e todos estão empolgados para a grande festa, idealizada por Felix Nideck, amigo de Reuben, que receberá não apenas familiares e amigos, como também boa parte da população das cidades vizinhas. Enquanto isso, Reuben também espera ansiosamente para comemorar, com os demais Morphenkinder, certos rituais no coração da floresta de Nideck - a Modranicht.

Entre luzes coloridas, azevinhos e guirlandas, surge um fantasma atormentado e confuso - que deixará Reuben igualmente transtornado. Ao passo que a situação com a tal presença espectral se torna mais complexa e agonizante, novos seres sobrenaturais aparecem e muitos segredos esquecidos são retirados do fundo do baú. 

Nesta nova aventura, Reuben terá de lidar com a escolha de Laura (sua noiva) e com as surpresas que o destino lhe prega, além de tentar compreender a real essência e natureza dos Morphenkinder. Ademais, ele precisará, mais uma vez, se readaptar ao seu estado e rotina como Lobo Homem - consciente de seus atos e extremamente sensível à eles -, mas também terá de aprender a conviver com seus iguais e sua família de sangue ao mesmo tempo.
"- Oh, eu não sei, se estou triste, é uma tristeza doce. O que aconteceu é que o meu mundo está mudando, e eu estou preso entre um e outro, ou faço parte dos dois, mas o mundo real, o mundo dos meus pais, de meus amigos antigos, esse mundo não pode saber desse meu novo mundo, e então ele não pode saber dessa minha parte que está tão mudada."
Em Os Lobos da Invernia, a narrativa em terceira pessoa assume um tom mais reflexivo, mágico e, por vezes, sanguinário (então se preparem, pois muitas cabeças e outras partes do corpo vão rolar ou o que sobrar delas...). Os lobisomens desta história são inteiramente conscientes e, ao sentirem o cheiro de qualquer espécie de maldade, vão atrás do dono deste cheiro em busca de justiça - com o intuito de cuidar das pessoas de bem. Porém, como distinguir uma pessoa verdadeiramente má e outra apenas leviana e fraca, ou como lidar com (possíveis) Morphenkinder suspeitos e de mau caráter? Reuben teve de encontrar tais respostas sozinhos e na prática, sofrendo e se angustiando com todas elas. Por outro lado, foi incrível ver o amadurecimento dele durante esse processo.

A maioria dos personagens é um encanto. Eles te divertem, cativam e instigam; você torce por todos eles, especialmente por Reuben, Laura, pelos Distintos Cavalheiros e Phil, pai de Reuben. A mãe dele me irritou bem menos do que no livro anterior, pois a dra. Grace estava mais receptiva e compreensiva (pontos para ela!); Jim, o irmão, foi digno de pena e raiva, porém, no fim, torci por ele também. Celeste mereceu o prêmio de personagem mais chata e surreal, mesmo depois de concluir a leitura, ainda fiquei sem acreditar nas atitudes dela. Os novos personagens fizeram aparições bem ambíguas, o que rendeu grandes surpresas (positivas e uma óbvia) no decorrer da história.

É interessante notar que a própria mansão de Nideck Point foi personificada, ela vivia, respirava e fazia com que os personagens se movimentassem ao redor dela. Daí o toque mágico da história. Anne Rice criou um ambiente idílico, onde todos os sonhos podem se concretizar e tudo parece certo e natural  - o que é um tanto quanto contraditório, visto que duas mortes terríveis ocorreram lá, porém, ela fez com que isto fosse apenas um triste detalhe, tornando a propriedade o mais fantástica e monumental possível.

Francamente, senti falta de mais passagens românticas entre Reuben e Laura, afinal, o romance estava fortemente presente, porém, com demonstrações bem sutis e esporádicas, visto que a narrativa deu prioridade a outras questões. Entretanto, cabe ressaltar que a tensão e a vontade sexual entre eles estava infinitamente maior do que antes - ao lerem, vocês saberão o motivo. Aviso de antemão que algumas destas cenas não são muito (ou nada) agradáveis de se imaginar, mas enfim, há várias formas de amor e esta também é válida.

Se vocês não apreciam narrativas detalhistas e minuciosas, tenham paciência com esta. Eu adorei os mínimos detalhes que foram narrados ao longo da história, mas para quem não está acostumado, a leitura pode se tornar levemente arrastada. Ademais, a história pode ser um pouco parada e maçante em certas passagens. Todavia, os acontecimentos e os segredos fazem com que você devore o livro com uma incrível rapidez, tendo em vista que a história, apesar de ocorrer em um curto período (de dezembro a fevereiro), tem um ritmo mais calmo, com um fato puxando o outro.

Apesar de alguns mimimis, Reuben continua um amor de pessoa... Ops, lobisomem. Ele é super atencioso e preocupado com todos, até com pessoas que não merecem muito. Tanto os personagens, em especial o Reuben, quanto o local são um prato cheio para os leitores e é ótimo acompanhar o processo de crescimento do personagem e adentrar no universo de Nideck Point (a arredores), indo à lugares recônditos e tudo o mais. Sem contar que histórias ambientadas durante o Natal são demais! Tudo foi bem amarrado, salvo uma coisa aqui e ali, não é nada para se descabelar, mas obviamente nos deixa com um gostinho de quero mais no final.

A diagramação e a capa são bem bonitas, gostei desse lobo enregelado (?) e tanto o título, como o nome da autora e da editora foram envernizados - o título na lombada também. Além disso, encontrei pouquíssimos erros de revisão. Ficaram interessados em ler Os Lobos da Invernia? Então, participem da promoção (link) e boa sorte!
  • Escrito por Anne Rice.
  • Editora Rocco.
  • Tradução: Alexandre D'Elia.
  • 431 páginas.
  • Leiam também: resenha do primeiro livro A Dádiva do Lobo (aqui).
  • Disponível em todas as livrarias.
  • Recomendo! :)
*Exemplar para resenha.

7 comentários:

  1. A história continua empolgante como o primeiro livro. Adoro histórias sobre lobisomens e este tem sido uma agradável surpresa pra mim. Tem uma trama envolvente e apaixonante. Além de amar o personagem.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Aaah, não li o primeiro.
    :(
    Mas só de saber que é da Anne Rice e de lobisomens, já gostei.
    E que capa linda.

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  3. Oie Rafa
    a culpa por eu querer ler essa série é toda sua. Ainda não comprei o primeiro, mas não vai demorar muito depois dessa resenha maravilhosa. Pelo visto titia Rice mantém o nível. Estou louca pra conferir.
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
  4. Oi, Rafaela! Tudo bem?
    Menine, gostei da resenha. Não conhecia o livro; aliás, nunca li nada da autora. E tenho certo receio, porque não curto muito lobisomens.
    Sobre a narrativa detalhista, se bem desenvolvida, até curto. Demoro para ler livros mesmo, de qualquer forma.

    Um beijo!
    Doce Sabor dos Livros - Aguardo a sua visita!

    ResponderExcluir
  5. Nunca li nada da Anne Rice. A vi uma vez na Bienal do Rio, mas só de longe. Acho que o universo que ela escreve nunca me interessou tanto, só fica aquela curiosidade de ler por ela ser muito renomada, sabe?
    Beijos
    literalmentefalando.com.br

    ResponderExcluir
  6. a historia parece ser muito bonita. ainda mais no natal... fiquei curiosa p/ conhecer o lobo (reuben) e sua esposa(laura). a capa esta linda.a editora esta de parabens.

    ResponderExcluir
  7. Era para eu ter ganhado e lido o primeiro livro mas vacilei num sorteio em mandar email para o endereço errado, mas ok.
    Tenho vontade de ler essa leitura, que acho bem louca, pois toda hora que sei que vai ter sexo bizarro da garota com o lobo eu penso: zoofilia feelings isso aí credo hahahaha
    Mas gosto de histórias com muito sangue e mortes, então

    ResponderExcluir

Hey you,
gostou do que leu, encontrou algum erro ou quer acrescentar algo?
Não deixe de comentar! =)
Sua opinião é muito importante para o blog.
Beijocas.

© 2012 - Todos os Direitos Reservados
Design por: Gabrielle Alves | Para uso exclusivo do blog Artesã Literária