Resenha de "O Conto da Deusa"

A escritora Natsuo Kirino trabalhou em áreas diversas antes de se tornar escritora e, atualmente, é considerada uma das maiores autoras de suspense do Japão. Kirino já teve mais de 20 romances publicados e em O Conto da Deusa, ela reimagina uma famosa lenda japonesa com distinção, beleza e pura tragicidade.
"Esta história pode ser expressa por minhas palavras, mas eu falo pela deusa, a que governa o Reino dos Mortos. Minhas palavras podem ser tingidas pelo vermelho da raiva, podem tremer de anseio diante dos vivos, mas todas elas, e cada uma, são pronunciadas para expressar os sentimentos da deusa."
Próximo da grande ilha Yamato, há uma pequenina ilha mística e sombria em forma de gota de lágrima. Lá, na família de sacerdotisas mais importante da região, nasceram duas irmãs: a bela Kamikuu e a simplória Namima, "mulher-em-meio-às-ondas". Durante a infância, elas eram muito unidas, porém, a partir do sexto aniversário de Kamikuu, em que ela é escolhida para ser o próximo Oráculo da ilha, ou seja, a sacerdotisa do reino da luz, Namima, que é considerada "impura" e é afastada da irmã, percebe que sempre viverá à sombra de sua irmã mais velha.

Após anos vivendo à margem e ajudando a servir sua irmã, mas também encontrando um grande amor no meio do caminho, Namima descobre que o destino poderia lhe pregar uma peça ainda maior... Visto que, enquanto Kamikuu era reverenciada pelo povo da ilha, ela foi obrigada a ir morar isolada perto do cemitério, e assim, tornando-se a sacerdotisa do reino das trevas. 


Entretanto, além de ser contra às leis impostas pela ilha, Namima não contava com um empecilho significativo que poderia colocar sua própria vida em risco se descobrissem. Ao tentar escapar de seu destino cruel, algo ainda mais terrível acontece e ela vai para o reino dos mortos, sendo obrigada a servir a deusa Izanami por toda a eternidade.

A medida em que tenta descobrir o que houve com ela mesma e seus familiares, além de sua incansável busca por vingança, Namima descobre que não é a única que sofreu e sofre terrivelmente, pois a deusa dos mortos, outrora deusa da criação, também tem inúmeras amarguras e é a partir daí que conheceremos a história da ressentida Izanami.
"- Deste dia em diante você será a guardiã do Amiido. Kamikuu, Filha dos Deuses, é yang. Ela é a alta sacerdotisa que governa o reino da luz. Ela reside no Kyoido no limite leste da ilha, onde o sol nasce. Mas você é yin. Você deve presidir o reino das trevas. Você morará aqui, no Amiido, no limite oeste onde o sol se põe."
Primeiramente, devo mencionar o quão incrível foi a maneira como Kirino uniu sua própria ficção com o mito de Izanagi e Izanami (que criaram o Japão e os demais deuses), intercalando e entrelaçando ambos com muita clareza e coerência. Meus conhecimentos sobre a mitologia japonesa eram zero, mas depois dessa narrativa detalhada, terminei a leitura carregada de informações e fiquei bem curiosa para saber ainda mais a respeito.

A história foi dividida em cinco partes, sendo que apenas a quarta é narrada em terceira pessoa, enquanto as demais foram narradas pela própria Namima. Em Hoje, hoje mesmo, a primeira parte do livro, Namima narra sobre sua vida na ilha até a sua fuga; na segunda, Rumo ao reino dos mortos, ela conta o que houve durante a fuga e sobre seus primeiros dias como serva e companheira da deusa; a terceira, Como tudo que faço neste mundo, ela narra sua vingança sendo colocada em prática e suas descobertas sobre o mundo dos vivos; já na quarta, Que mulher agora de grande formosura, é narrado o houve com o Izanagi, marido da deusa; e por fim, na quinta parte, Que homem agora de grande formosura, ela revela o desfecho de todas essas histórias paralelas, inclusive a dela.

Basicamente, o enredo é sobre duas trágicas histórias de amor, vingança e ressentimento, porém, também está repleto de mistérios e incertezas. Por isso, fiz muitas suposições durante a leitura sobre o que teria acontecido ou porquê tal personagem agiu de tal forma - acertei algumas e me surpreendi com outras, o que tornou a leitura mais emocionante e, por vezes, agonizante.

Pela sinopse, pode parecer que Kamikuu era um "monstro", mas isto está longe de ser verdade. Ela era apenas uma garota que, assim como Namima, foi obrigada a fazer o que lhe havia sido imposto pelas leis bizarras da ilha. Acredito que, apesar da atmosfera fantasiosa e mística, todos os personagens foram bem críveis, incluindo os deuses, já que eles também sentiam e faziam as mesmas coisas que os humanos. É uma história sombria e catastrófica, com personagens igualmente sombrios, cheios de angústias e atitudes terríveis, salvo um ou outro personagem que possui uma aura mais leve e tranquila, mas também, com algumas lições interessantes.

Até o começo da segunda parte, a leitura foi bem arrastada e um tanto quanto maçante, porém, depois ela ganha um ritmo mais enérgico e então, o livro pode ser concluído com bastante rapidez e tranquilidade. Os termos em japonês foram um outro ponto relativamente incômodo, pois eu fiquei um pouco cansada até pegar o ritmo de ler todos aqueles nomes e referências sem voltar a leitura para relê-los.

Gostei bastante do toque sombrio da capa e, especialmente, da contra capa, pois combinaram perfeitamente com o ar melancólico e trágico da narrativa. A diagramação é normal, modificando-se apenas quando há canções ou orações do Oráculo, e a revisão ficou boa, o único erro que me incomodou foi a grafia errada do nome de Izanagi, deus da criação e marido de Izanami. Em suma, foi uma leitura bem diferente, mas muito instrutiva e interessante, além de ter sido minha segunda experiência com a literatura japonesa. Gostei e recomendo, principalmente para àqueles que apreciam mitologia.

Querem concorrer a um exemplar de O Conto da Deusa? Cliquem aqui e participem da promoção! 
  • Escrito por Natsuo Kirino.
  • Editora Rocco.
  • Tradução: Alexandre D'Elia.
  • 278 páginas.
  • Disponível em todas as livrarias.
  • Recomendo. :)
*Exemplar para resenha.

9 comentários:

  1. Oi Rafaela!
    Nossa, eu nunca li nada sobre mitologia japonesa, esse é o primeiro livro no tema que eu vejo.
    Que bom que o livro ganha ritmo na segunda parte.
    Acho que eu ia ficar toda confusa com termos em japonês.
    Adorei a sua resenha, a capa do livro é bem sombria mesmo!
    Beijos... Samantha Culceag.
    Só pra Menores

    ResponderExcluir
  2. Nunca li nenhum livro da literatura japonesa apesar de gostar muito de anime e achar a cultura de lá bastante interessante. Gosto muito de mitologia, acho que ela são de fundamental importância para se conhecer a cultura de determinado povo e fiquei interessadíssima nesse livro que mescla a mitologia japonesa com a ficção criada pela escritora. Já estou participando do sorteio, quem sabe não tenho sorte?
    Obrigada pela indicação.

    ResponderExcluir
  3. Oi Rafa!
    Eu nunca li nada sobre mitologia japonesa. #ShameOnMe
    Mas você elogiou a obra acima e despertou minha curiosidade. Parece ser uma história sombria mesmo, até a capa sugere isso como você mencionou.
    Espero ter a oportunidade ler em breve e gostar.
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.com

    ResponderExcluir
  4. Oi, Rafa, tudo bem?

    Nossa, mitologia japonesa! Isso é muito novo para mim! Confesso que fiquei muito curiosa para ler esse livro. Meu medo é quanto a leitura arrastada da primeira parte. Não costumo ser mt paciente com livros assim.

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi Rafa, tudo bem? Quanto tempo não passo por aqui!
    Esse livro parece ser diferente de tudo o que eu já li! Essa curiosidade me impulsiona para lê-lo, apesar de não ser tão atraente assim em questão de enredo. Mas quem sabe mais pra frente?

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  6. Oi Rafa! Eu nunca li nada sobre mitologia japonesa, mas pelo visto o livro é bem detalhado e insere bem o leitor neste universo, fiquei curiosa em saber mais sobre todos estes mitos e lendas, é ótimo um livro assim para fugir da mesmice.

    Bjos!!
    Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  7. oie rafa
    não conhecia esse livro. Tô por fora dos lançamentos da editora rocco ultimamente. Mas ele parece tão diferente, e fora da minha zona de conforto, que com certeza eu arriscaria a leitura. Ainda mais porque nunca me aventurei na literatura japonesa.
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
  8. Nossa. fiquei encantada com esta história. Não havia lido nada tão interessante assim a muito tempo. você conseguiu me deixar curiosa e ansiosa pra ler. Adorei conhecer a história. Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Geente, parece um anime em livro mesmo, sem ser magá hahaha, adorei *_* gosto muito de histórias japonesas, e essa então me chamou muito a atenção! Quero muito ler, me intrigou bastante!

    ResponderExcluir

Hey you,
gostou do que leu, encontrou algum erro ou quer acrescentar algo?
Não deixe de comentar! =)
Sua opinião é muito importante para o blog.
Beijocas.

© 2012 - Todos os Direitos Reservados
Design por: Gabrielle Alves | Para uso exclusivo do blog Artesã Literária